ARTIGOS E ESTUDOS

27
maio

Sobre Cauhe Motta

”Sou arquiteto, praticante de Yoga e Feng Shui. E estas três características me definem em grande parte.

Formei-me em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo em 2008, mesma época em que mergulhava de cabeça nos estudos e práticas do então recente descoberto mundo do Yoga. Nos dois anos que se seguiram me aventurei em formações e viagens de autoconhecimento pelos Estados Unidos, Europa e Índia.

No retorno, escolhi o Rio de Janeiro para estabelecer minha família e passei a trabalhar em atuantes escritórios da área, tendo a oportunidade de participar de grandes projetos e aproveitando o ótimo momento do mercado imobiliário da cidade. Yoga e Arquitetura caminharam em paralelo durante um bom tempo, mas a inquietação em juntar estes mundos pulsava dentro de mim.

Encontrar o Feng Shui foi a resposta para isso. Era o lado sutil da arquitetura que eu tanto procurava, e a forma de trazer para meus clientes de projetos o mesmo contentamento e profundidade que eu experienciava com meus alunos de Yoga. Os grandes valores desta prática passaram a integrar para sempre meu exercício e relacionamentos profissionais.”

Conheça mais em: www.cauhemotta.com 

20
maio

Depoimento Cliente

Com carinho compartilho este relato recebido ao final de uma consultoria. Muito grato pelas palavras!

”Cauh​e ​chegou aqui com uma missão que eu mesma achava bastante desafiadora. ​Tabalho em home office grande parte do tempo e por isso instalei o escritório no quarto de serviço, que nunca havia sido utilizado para es​sa finalidade. Naquele espaço​ ​costumava passar metade dos meus dias, ao computador, sem a ventilação adequada ou qualquer iluminação natural. Eu já percebia uma inadequação, um bloqueio energético, que me afetava quase todo o tempo e uma interpretação de Feng Shui (errada) colhida na internet me fez buscar apoio profissional: parecia que a área dos relacionamentos estava exatamente ali, naquele ambiente já inapropriado para o trabalho. Decidi que precisaria tomar uma atitude a respeito e consultar um especialista. Minhas restrições: a mudança não poderia impactar a rotina da família nem interromper o trabalho. E se eu precisasse fazer obra? Quebrar parede? Comprar móveis?

Como combinado, enviei algumas fotografias e, já na primeira visita, Cauh​e​ pode identificar pontos bastante críticos, mas bem simples de resolver. Percorreu todos os ambientes, sinalizando oportunidades de intervenção, como mudança de lâmpadas e da disposição de alguns móveis. Conversamos sobre alguns quadros que eu tinha há tempos na sala e a orientação dele foi bastante objetiva e fácil de executar: “​Perceba se os quadros evocam emoções boas, positivas​. Faça esta pergunta e só então decida se deseja mantê-los ou mudar​.​”

Programamos a segunda visita para a semana seguinte​, mas o trabalho do Cauh​e​, no entanto, já havia começado. Ele acordou o ​C​hi estagnado! Naquela noite recebi amigos ​em casa​ e observei que minha filha estava com bastante dificuldade para se concentrar para as provas que faria no dia seguinte. Naquele momento, alguém sugeriu: “​P​or que vocês não trocam de quartos?”

E assim as mudanças maiores começaram. Uma força tarefa entre amigos, diarista, marceneiro, pintor, costureiro, faz-tudo​,​ muito desapego ​(quanta coisa sem utilidade ou sem alegria nos armários e nos espaços​!)​, alguma bagunça e oito dias depois: voilá! A solução para todo aquele peso que eu sentia ao transitar entre os espaços da casa.

Consultei o Cauh​e​ algumas vezes, tirei muitas dúvidas e essa interação fluiu com toda a disponibilidade e boa​ ​vontade, mesmo quando eu mudava de ideia, implicando em retrabalho sobre o projeto original. Fui implementando as ​mudanças sob sua orientação e o resultado não poderia ser melhor. Sensacional!

​Recebi a visita final e os mapas com orientações detalhadas sobre como proceder para melhorar continuamente o bom fluxo em todos os setores da casa e da vida. Sou muito grata ao Cauhe, um anjo do bem morar, do bem viver, muito competente, leve, ágil, eficiente e, igualmente, iluminado.”

J.B. – São Conrado, Rio de Janeiro

02
abr

O que é Feng Shui?

Para entender o que é Feng Shui, precisamos primeiro aceitar a existência do Chi, energia vital que permeia tudo e todos. Ela está nos alimentos que ingerimos, no ar que respiramos e ocupa todos os espaços, mesmo que invisível aos olhos. Na filosofia indiana, esta mesma energia é conhecida como Prana.

Feng Shui é a arte de manipular o Chi presente nos espaços onde vivemos. Aguçando nossa percepção, podemos notar se ele se move de forma muito acelerada ou demasiadamente lenta, podendo estagnar-se em determinadas áreas e criando uma condição de não-movimento, de não-transformação, e portanto uma condição onde não há vida. Movimento e transformação são as bases da vida e tudo na natureza é movimento e transformação. Quando se cessa o movimento, identifica-se a morte. Através das técnicas do Feng Shui, interferimos no fluxo do Chi para que este passe a fluir de forma harmônica e alinhado com a nossa natureza.

Num primeiro momento podemos facilitar o seu fluxo através de ações mais grosseiras, como simplesmente garantir um espaçamento mínimo entre os móveis, atentar para as correntes de vento dentro de casa e retirar objetos sem utilidade. O excesso de móveis e objetos é prejudicial em qualquer ambiente, assim como a excessiva falta deles.

Caminhando para ações mais sutis, podemos pensar no equilíbrio entre os diferentes Elementos – Terra, Fogo, Água e Madeira – na decoração. Cada elemento é estimulado por determinadas cores, formas e materiais, que devem ser utilizados de forma consciente buscando ativar ou aliviar cada um deles. Um ambiente com equilíbrio dos elementos nos transmite a sensação de conforto e bem estar, sem excessos.

Podemos então passar para uma próxima etapa – posterior às ações descritas acima, comuns a todos os casos – e avaliar características únicas daquele espaço, como localização, posição em relação ao movimento do sol e dimensões dos ambientes. Através de estudos geométricos, identificamos o Centro da Residência (ou local de trabalho), área tão importante a partir de onde se movimentam todas as energias, tal qual o Sol e seus planetas. Um centro estável, ancorado energeticamente, é fundamental.

A partir deste centro, podemos definir então as Oito Áreas da residência, orientadas em relação ao movimento do Sol. Durante séculos antigos estudiosos chineses observaram as relações de cada uma destas Oito Áreas com aspectos de nossas vidas, tais como Sucesso, Saúde, Prosperidade e Relacionamentos.

Todas estas informações podem ser observadas em uma espécie de mapa, conhecido como Ba-guá. Quando aplicado sobre a planta baixa do imóvel, o Ba-guá nos mostra sob qual das Oito Áreas de influência está cada um dos cômodos e setores do espaço. Sendo assim, além de facilitarmos o fluxo do Chi, encontrarmos o equilíbrio entre os Elementos e fortalecermos o Centro, podemos tratar cada uma das Oito Áreas de forma pessoal, e assim favorecer o fluxo das energias que elas representam na vida dos moradores.